Um verão de probabilidades com “A Menina que Não Acreditava em Milagres”

EM Drama
karina
2 meses atrás

A-Menina-Que-Nao-Acreditava-em-Milagres-Wendy-WunderLivro: A Menina que Não Acreditava em Milagres
Autor: Wendy Wunder
Tradutor: Ana Paula Rezende Dias da Silva de Mello
Nota: 4/5
Editora: Novo Conceito
Páginas: 327

“Pela primeira vez em um tempo muito longo, o câncer não era tudo.”

“A Menina que Não Acreditava em Milagres” é um clássico sick-lit (só por esse fato a probabilidade de eu gostar do livro é muito alta!), e mesmo seguindo uma trama bem comum, o livro ainda assim consegue emocionar e nos fazer refletir! Cam tem 17 anos, tudo que poderia dar de errado em sua vida já deu, ela tem câncer e suas possibilidades estão se esgotando.

“— (…) Se existe um poder superior fazendo origami do universo, ele me odeia. Eu era uma criança gorda, meus pais se divorciaram, meu pai morreu e, depois, tive câncer. Então, não. Não confio em como as coisas vão desdobrar.”

A mãe de Cam, como qualquer outra mãe, não está pronta para desistir da filha, mesmo Cam não concordando muito com a ideia da mãe, ela se vê indo a uma cidadezinha chamada Promise (conhecida por acontecimentos considerados milagrosos). Lily é a melhor amiga de Cam e também tem câncer, juntas elas criaram uma lista de coisas para fazer antes de morrer (a lista do flamingo), os itens da lista deveriam acontecer espontaneamente, mas Cam está cansada de esperar, então ela decide que é na nova cidade que ela vai começar a pôr as coisas em prática.

A-Menina-Que-Nao-Acreditava-em-Milagres-Wendy-Wunder1

Esse é um livro em que todos os personagens me pareceram necessários, desde Perry a garotinha aventureira (irmã mais nova de Cam, que no começo parece meio alheia a gravidade da situação, mas que na verdade é um mecanismo de defesa contra a possível falta da irmã num futuro próximo), passando pela Nana (a avó mais fofa e divertida que Cam poderia ter) e pelo exemplo de mãe que a Cam tem.

Chegando em Providence, Cam conhece Asher, um garoto misterioso que aos poucos à conquista Cam, e apesar dela sempre ter uma resposta científica para tudo, pequenas coisas sem explicação acontecem, além de claro, os dois se enfiarem em algumas confusões.

“As ligações entre as pessoas eram temporárias. Egoístas. Oportunistas. Destinadas a perpetuar a espécie. “Amor”, o amor romântico, era apenas uma fantasia que se permitia porque, caso contrário, a vida seria chata demais para suportar.”

Apesar do tema câncer, morte e milagre estarem presentes no livro inteiro, esse livro é sobre uma jornada de descoberta, sobre aproveitar o tempo que temos, seja ele muito ou pouco (afinal nunca saberemos não é mesmo?). O selo de coração quentinho está garantido, pois nos conta que podem existir pessoas que acreditam em nós, quando nós mesmos não acreditamos!

“O amor, Cam tinha de admitir, poderia ser real. E o amor permanece. As relações permanecem. Porque os pensamentos são energia, energia é matéria, e a matéria nunca desaparece.”

Num primeiro olhar o livro pode parecer simples (sim, tem vários clichês que fazem parte da receitinha dos sick-lits que conhecemos), mas raso jamais, se olharmos as camadas mais profundas, iremos entender que até as mais duras situações tem ensinamentos importantíssimos a nos dar.

karina
Sobre karina

Biomédica por formação , bookaholic por paixão !

 

COMENTÁRIOS

  • Lara Caroline

    Oi Karina, tudo bem?
    Gosto de histórias que nos deixam pensativas, com aquele sentimento de “será que eu estou vivendo certo?”. Acho que se eu lesse este livro eu iria questionar toda a minha vida, e principalmente se eu estou aproveitando a minha vida como se fosse o meu último dia, afinal como você disse, não tem como saber né?! Adorei a resenha.
    Beijos

  • Leonora Oliveira

    Quando vi o lançamento desse livro fiquei curiosa, porque curti o título e a capa. Geralmente, um sick-lit com personagens carismáticos que cumpre a missão de nos emocionar durante a leitura, tem grandes possibilidades de se tornar inesquecível. Vou ler!
    Beijos!!

  • Alessandra Fernandes

    A história parece uma narrativa simples e despretensiosa, mas gostei de saber que, se soubermos olhar mais a fundo há uma mensagem muito bonita de aproveitar o momento e os pequenos milagres da vida. Se ele é uma fácil leitura, que entrega muito mais do que aparenta, não pode faltar na minha lista de leituras.
    Bjos!