Prepare-se para vencer o lance e pagar um preço mais alto do que imaginou

EM Fantasia
karina
3 meses atrás

A-maldicao-do-vencedorLivro: A Maldição do Vencedor
Autor: Marie Rutkoski
Tradutor: Guilherme Miranda
Série: Trilogia do Vencedor – Livro1
Nota: 4/5
Editora: Plataforma21
Páginas: 322

Antes de começarmos a falar sobre “A Maldição do Vencedor” é necessário entender que esse livro é um romance, mas não um romance romântico, no pano de fundo dessa história temos dois povos: os Valorianos que tem em sua base cultural o militarismo, eles sabem muito sobre guerra, estratégia e possuem um general muito competente e poderoso; e os Herranis tem em seu pilar a erudição, eles prezam e desenvolvem os dons na arte e na música, acreditam em vários deuses e possuem uma boa educação; uma vez que esses povos entraram em guerra o Herranis tornaram-se escravos dos Valorianos.

Kestrel é uma Valoriana, mas não uma Valoriana qualquer, Kestrel é filha do general e dela espera-se muitas coisas ao fazer vinte anos, como manda a tradição ela deve decidir se seguirá carreira militar ou se irá casar (o problema é que Kestrel não está muito contente com apenas essas duas opções) e é num passeio com a amiga Jess que Kestrel acaba indo parar num leilão de escravos. A trama se desenvolve a partir do momento que Kestrel vence o leilão num lance altíssimo que nem ela mesmo entende o que a levou comprar um escravo herrani chamado Arin.

“- A maldição do vencedor é quando você vence as ofertas, mas só pagando um preço muito exorbitante.”

Arin é muito misterioso o que por si só já chama atenção de Kestrel, somando ao fato de que ela é apaixonada por música e ele é cantor (que se nega a cantar, pois o canto o lembra de momentos em que ele era livre) eles, embora tenham experiências e vivam em situações completamente diferentes, despertam algo um no outro por mais improvável que seja a relação entre um escravo e sua dona, acabam desenvolvendo uma amizade sincera que desconstrói algumas primeiras intenções e pré-conceitos e, é claro, como bom drama os dois se apaixonam. Com capítulos curtos e uma escrita simples e direta, mesmo com um começo um pouco arrastado, Marie Rutkoski cria um romance de época/jovem adulto que nos traz muitos dramas e um cliffhanger de deixar o coração na garganta.

“A felicidade depende de ser livre (…) e a liberdade depende de ter coragem.”

O que torna o livro diferente é que o foco da história não fica no romance do casal e embora o mundo apresentado não mostre o desenvolvimento do espaço das terras adjacentes, os esquemas políticos e a disputa pelo poder é muito bem trabalhado. Kestrel, que no começo pode parecer ingênua, demonstra muita habilidade de estratégia enquanto Arin nos mostra o quanto um povo subjugado e escravizado sonha em ter sua paz de volta.

“Não é isso que as histórias fazem? Transformam coisas reais em falsas e coisas falsas em reais?”

Enquanto ele tem sede de vingança e desejo de retomar sua liberdade e a liberdade de seu povo, ela quer ser igualmente livre, mas não sabe de que lado deve posicionar sua lealdade. Não pode e não quer trair seu pai e seu povo e ao mesmo tempo não consegue e não quer ser cruel com nenhum Herrani, esse é definitivamente um livro que vai deixar você dividido sem saber qual rumo a história leva e se esse amor resistirá a revolução entre seus povos e o conflito de seus ideais.

A capa e a edição estão lindas, e a Plataforma 21 tem publicado os livros em um tempo de intervalo razoavelmente curto, fazendo desse um livro maravilhoso para pedir e dar de presente em qualquer ocasião.

karina
Sobre karina

Biomédica por formação , bookaholic por paixão !

 

COMENTÁRIOS