Cuidado com as linhas que você está traçando na vida…

EM Resenhas
karina
8 meses atrás

tracos-eduardo-ciltoLivro: Traços
Autor: Eduardo Cilto
Nota: 3/5
Editora: Outro Planeta
Páginas: 270

“Traços” é o romance de estreia do booktuber Eduardo Cilto, e por se tratar de um Youtuber cujo o canal fala de livros, comecei minha leitura com uma certa expectativa, mas no mundo das redes sociais onde temos poucos caracteres minha síntese é: Instalove + todos os clichês e dramas adolescentes existentes nas receitas de Young Adult e temos um bom resumão de Traços.

“Traços” é narrado em primeira pessoa, com um plot que se desenvolve na maior parte durante a viagem de Matheus para a capital de São Paulo. Matheus é um garoto de 16 anos, daqueles adolescentes mais calmos que adora ler quadrinhos e mantém uma paixão platônica pela melhor amiga Beatriz, já Beatriz é no mínimo egocêntrica, para não dizer desmiolada (aqui vale a máxima que em teoria os opostos deveriam se atrair).

“Ás vezes, as pessoas se deixam cegar pelo número infinito de expectativas que as cerca e acabam não percebendo que o que elas mais querem está na frente do próprio nariz, não exatamente como imaginam, mas muitas vezes de um jeito até melhor do que o esperado.”

Quando Beatriz convence Matheus a ir numa das festas da escola é que a bagunça começa, durante a festa Beatriz encontra Fernanda que é fã de American Horror Story (teremos inúmeras referências às séries) e namorada de um dos amigos de Matheus, a garota convence Beatriz a participar de um ritual mágico a fim de descobrir o que o futuro lhe reserva…

“– Está procurando a resposta de maneira errada – Fernanda balbuciou, tomando o controle de seu corpo e saindo dos braços do namorado para se aproximar de Beatriz. – Está longe, muito longe de encontrar o que quer. – ela fez uma pausa. – Existe uma estrada a seguir, um coração a afundar e um desejo a cumprir! Afaste-se e veja a verdade. Trace seu caminho.”

Convencida de que não encontrará seu propósito naquela cidade pequena, Beatriz decide fugir para São Paulo em busca de seu grande feito e Matheus, como fiel escudeiro/protetor, decide ir junto (a maneira como os personagens são apresentados me faz lembrar muito do Quentim e da Margot de “Cidade de Papel”, e para a minha leitura esse não foi um ponto a favor). As inúmeras situações inacreditáveis que ocorrem durante a jornada, tornam a história um pouco absurda, mas, ainda sim, entregam uma mensagem.

“– O que quero dizer é que até o Super-Homem, que é o cara mais forte do mundo, fica fraco quando encontra uma pedrinha de kryptonita de vez em quando. Você vai ficar bem, vai dar tudo certo!”

Esse livro é a prova que uma boa escrita não salva uma história ruim, a maneira que o Eduardo escreve é fácil e muito gostosa de ler e, embora aborde temas muito importantes como autodescoberta, amizade e o enfrentamento das consequências de nossos atos, as situações desenvolvidas nem sempre conversaram, é como se faltasse foco. Tenho certeza que se a história tivesse focado mais nos problemas familiares do Matheus eu teria curtido muito mais a leitura.

“A vida pode ser muito parecida com os quadrinhos, pois ambos têm alguém controlando o que acontece; no caso você é o desenhista da sua própria história, e os traços feitos são as ações que toma para designar o rumo que sua vida seguirá. Então tenha consciência de que, a partir de agora, é você quem define o desenho que seus traços vão formar.”

Talvez a minha falta de empolgação tenha sido causada pela tamanha expectativa que eu tinha, mas ainda sim quero ler algo que o Eduardo escreva futuramente. Com relação ao trabalho editorial/capa e diagramação, a editora está de parabéns, os detalhes foram muito bem pensados, a ilustração da capa é linda e faz uma ambientação perfeita da história.

karina
Sobre karina

Biomédica por formação , bookaholic por paixão !

 

COMENTÁRIOS

  • Lara Caroline

    Oi Karina, tudo bem?
    Então, já li outra resenha algum tempo atras sobre este livro e falaram tão mal do livro que eu decepcionei total. Acredito que o que li lá pode ser verdade já que a sua resenha também não foi super elogiando o livro. A capa realmente está muito bonita, pena que o autor tenha pecado um pouco em algumas coisas.
    Beijos

  • Halana Santos Silva

    Nunca ouvi falar sobre o livro e o é reparei é que a capa é quase idêntica a do livro “Bem Mais Perto”… ja leu? E pela sua resenha, até algumas coisas são parecidas com o livro citado… quanto a ser (tbm) parecido com Cidades de Papel, já me faz manter a maior distância possível…

    • Yasmin

      Nossa, verdade, agora que reparei parece mesmo rsrs